Anipédia


Toshokan Sensou

  
Informação

  • Tipo: Série
  • Total de Episódios: 12
  • Ano: 2008
  • Gênero: Ação, Comédia, Romance, Seinen
  • Site: http://www.toshokan-sensou.com/
  • Abertura: Atashi no Machi, Ashita no Machi por Hitomi Takahashi
  • Encerramento: Changes por Base Ball Bear
  • Postado por: Malkav
  •    Nenhum voto registado
  • Nota: Total de votos: 0
Sinopse

A história original, inspirada pela “Declaração de Liberdade Intelectual nas Bibliotecas”, da autoria da Associação de Bibliotecas do Japão, contou com 4 volumes da coleção principal (Toshokan Sensou; Toshokan Nairan; Toshokan Kiki e Toshokan Kakumei), publicados pela japonesa MediaWorks entre fevereiro
de 2006 e novembro de 2007, aos quais se juntaram depois mais dois volumes com material extra – uma coleção que ficou conhecida como Bessatsu Toshokan Sensou, publicada pela ASCII MediaWorks entre abril e agosto de 2008.

Os livros de Arikawa serviram ainda de inspiração a duas coleções de mangá: uma na versão shoujo com arte de Yumi Kiiro, lançada na revista Lala em setembro de 2007 e finalizada em dezembro de 2014 (tendo sido lançada a coleção em 15 tankoubon, entre abril 2008 e junho 2015); entre janeiro e junho de 2008 surgiu também uma versão shounen (aparentemente descontinuada) na revista Dengeki Daioh, com arte de Furudori Yayoi.

Os dois volumes de Bessatsu Toshokan Sensou também têm a sua adaptação para Mangá, a cargo igualmente de Yumi Kiiro, com o título Toshokan Sensou: Love & War Bessatsu Hen (lançada na revista Lala desde março de 2015).

A série em anime passou no bloco noitaminA da Fuji TV, entre 10 de abril e 26 de junho de 2008, e reconta alguns dos acontecimentos dos três primeiros volumes de Toshokan Sensou. Foi uma produção do Studio 9 da Productions I.G (Ghost in the Shell: SAC; Seirei no Moribito; Higashi no Eden) e contou com a direcção de Takayuki Hamana (Mushibugyou; Tennis no Ouji-sama; Wellber no Monogatari; Appleseed XIII), series composition de Kenji Konuta (Servamp; Dia no Ace; Blood Lad), character design de Satoru Nakamura (A Wind Named Amnesia; Higashi no Eden; Rakushou!; Hyper Doll) e música de Yuugo Kanno (Ajin; Birdy the Mighty Decode; JoJos Bizarre Adventure: Stardust Crusaders; D.C.: Da Capo; Psycho-Pass).

Como forma de divulgação do anime foram transmitidos (em abril de 2008) dois shows de rádio pela internet com a participação de Tomoaki Maeno, Marina Inoue, Tatsuhisa Suzuki e Miyuki Sawashiro, que dão voz a algumas das principais personagens da história.

Com o lançamento da série em DVD (em outubro de 2008), foi disponibilizado também um episódio inédito (Toshokan Sensou: Koi no Shougai, também conhecido como Library War: Situation Love Handicap) e, mais tarde, em 16 junho 2012 estreou o filme Toshokan Sensou: Kakumei no Tsubasa (também conhecido como Library War: The Wings of Revolution), que finaliza a história original.

Além das versões em mangá e anime, Toshokan Sensou foi também adaptado para o cinema, com três live-action até ao momento, que mantêm os pontos principais da trama, embora apresentem desvios substanciais da história original: Toshokan Sensou (27 de abril de 2013); Toshokan Sensou: Book of Memories (5 de outubro de 2015; especial de TV transmitido pela TBS) e Toshokan Sensou: The Last Mission (10 de outubro de 2015) – todos realizados por Shinsuke Sato (Sunadokei; Gantz; Bleach) e protagonizados por Nana Eikura e Junichi Okada.

Os acontecimentos de Toshokan Sensou desenrolam-se num enquadramento histórico alternativo do Japão, em 2019 (ano 31 da era ficcional Seika).
No último ano da Era Shouwa, uma lei conhecida como Lei de Melhoramento dos Média foi aprovada, embora nunca tenha sido tornado público o processo que lhe deu origem. A sua proposta era reprimir todas as formas de expressão que constituíssem uma violação aos direitos humanos e perturbassem a ordem pública e as noções de moralidade.
Tendo superado a oposição, que argumentava que a censura era inconstitucional, a lei foi escrita de forma vaga e deixava muito espaço para interpretação. Na verdade, parecia mesmo deixar propositadamente os princípios da censura ao cuidado dos caprichos dos seus executores. Os regulamentos internos e normas de aplicação relacionadas com a censura poderiam ser suplementados consoante as necessidades dos censores. Esse poder arbitrário foi atribuído a um comité executivo (Comité de Melhoramento dos Média, fortemente militarizado) que gozava de um extraordinário nível de autonomia. O resultado foi a repressão da liberdade de expressão às mãos da censura institucionalizada.

As bibliotecas, sob a jurisdição dos governos locais, enfrentaram abertamente o governo central, fazendo entrar em vigor a "Lei de Liberdade das Bibliotecas" – um instrumento que lhes permitiria fazer frente ao CMM e cujos principais pontos são:
1 - As bibliotecas têm o direito de recolher materiais livremente.
2 - As bibliotecas têm o direito de disponibilizar materiais livremente.
3 - As bibliotecas protegem a liberdade dos seus utilizadores.
4 - As bibliotecas opõem-se a toda a censura.
Quando a liberdade da biblioteca é posta em causa, os bibliotecários devem unir-se e lutar até ao fim para protegê-la.

A história do conflito é violenta e o recurso ao uso de armas de fogo foi introduzido desde cedo, tendo as bibliotecas sido forçadas a criar a sua própria tropa de elite e a garantir que, apesar de a avassaladora maioria dos candidatos a novos bibliotecários manifestarem a intenção de assumir cargos mais tradicionais, todos passam obrigatoriamente pelo treino intensivo de combate na Força de Defesa da Biblioteca.

30 anos após a entrada em vigor da nova lei, Kasahara Iku concretizou o sonho de se tornar membro da Força de Defesa da Biblioteca e enfrenta treinos militares exigentes diariamente. Quando ainda era estudante, viu-se envolvida num confronto com elementos do Comitê de Melhoramento dos Média ao tentar impedir que um livro fosse apreendido. Tendo sido ajudada por um membro da FDB, fica impressionada pelo seu sentido de justiça e pela possibilidade de proteger os livros da censura. Nesse momento, ainda que não se lembre do rosto do seu salvador, toma a decisão de seguir os seus passos, tornando-se a primeira mulher a integrar a tropa de elite da FDB e participando na luta pela reconquista da liberdade de expressão.


   Nenhum comentário.
   Nenhuma review postado pelo usuário.
   Nenhum Video postado pelo usuário.
Episódios : 13
Criador Original : Hiro Arikawa
Diretor : Takayuki Hamana
Música : Yuugo Kanno
Duração : 24 min
Estúdio : Production I.G

Marina Inoue as Iku Kasahara
Tomoaki Maeno as Atsushi Dojo
Akira Ishida as Mikihisa Komaki
Miyuki Sawashiro as Asako Shibasaki
Tatsuhisa Suzuki as Hikaru Tezuka
Aki Kanada as Child (eps 1)
Atsushi Kouzaka as Ryouka member A (eps 1)
Daisuke Ono as Hikaru Asahina (eps 7)
Haruo Satou as Kazuichi Inamine
Hideki Takanishi as Ryouka member B (eps 1)
Hiroyuki Yoshino as Satoshi Tezuka
Kanji Suzumori as Ryusuke Genda
Kaori Nazuka as Shizuka Nonomiya (eps 10-11)
Mayu Hayakawa as Female member (eps 1)
Rie Tanaka as Maki Origuchi
Ryouta Akazawa as Ryouka member C (eps 1)
Unshou Ishizuka as Library Defense Force officer
   Nenhum registado
 
Status
32 visitantes e Nenhum membro online
.

Enquete
Parceiros
Links